Pombagira

Mais um mistério é desvendado: Rubens Saraceni, inspirado por Pai Benedito de Aruanda, traz à tona a revelação dos mistérios que envolvem esse Orixá. Ele explica que Pombagira não fazia parte do panteão yorubano e seu nome não era revelado na Teogonia nagô.

Portanto, é genuinamente brasileira e umbandista, e está aí para acolher a todos que se encontram perdidos nos caminhos da vida, ou da ausência dela, pois Pombagira age no íntimo das pessoas, como verdadeiras psicólogas.

Se antes Pombagira era considerada “moça da rua”, agora ela é acolhida na Umbanda como divindade, senhora, rainha, guardiã, que atua para que os seres descubram dentro de si o verdadeiro significado do amor.

OFERENDAS
  • Toalha ou pano vermelho
  • Velas vermelhas
  • Fitas vermelhas
  • Linhas vermelhas
  • Pemba vermelha
  • Flores (rosas vermelhas)
  • Frutas (maçãs, morangos, uvas rosadas, caqui)
  • Bebida (champagne de maçã, de uva, de sidra, licores)

Fontes:
Saraceni Rubens, Rituais umbandistas: oferendas, firmezas e assentamentos, São Paulo, Ed. Madras, 2007 pg. 76
Saraceni, Rubens – Orixá Pombagira: fundamentação do mistério – São Paulo, Ed. Madras, 2008